Pesquisar este blog

terça-feira, 1 de março de 2016

BALANÇO MENSAL - FEVEREIRO

Lá vem mais uma relação de filmes vistos no mês... Reunir todos os títulos que compuseram meu cardápio cinéfilo (adoro essa expressão, por isso a uso com tanta recorrência) é uma tarefa prazerosa e cansativa quase na mesma medida. Apesar de um pouco mais curto, fevereiro rendeu em quantidade e qualidade e, a partir desse balanço, dou sequência à numeração de filmes vistos, em vez de começar a contagem do número 1 de novo. Pelo menos no que se refere aos inéditos. Ressalva colocada, serei mais direto dessa vez. Eis o pódio, os filmes todos reunidos e os melhores em algumas categorias logo abaixo:

PÓDIO

MEDALHA DE OURO

Anomalisa (Charlie Kaufman, 2015)



Crítica disponível aqui

MEDALHA DE PRATA

O que eu mais desejo (Hirokazu Koreeda, 2011)




A sensibilidade no trato com a infância é elemento-chave no cinema praticado por Koreeda. Sem arroubos ou timbres agudos, inclusive de trilha sonora, seus filmes apresentam a infância como um genuíno refúgio da inocência, das amizades puras e do olhar em direção à família com ternura e busca por acolhimento. Reunidos aqui, tais elementos servem à história de dois irmãos separados pelas dificuldades financeiras, cada qual morando com um dos pais. O que um deles mais deseja é ver a família toda de novo sob o mesmo teto, e a descoberta de que, no raro cruzamento de dois trens-bala um desejo feito se torna concreto, impulsiona o garoto a ir a uma estação e pedir por essa dádiva.

MEDALHA DE BRONZE

Montanha da liberdade (Hong Sang-soo, 2014)



O Oriente predominou como fonte dos meus preferidos de fevereiro, e aqui está novamente um Sang-soo para ser marcado. Apelidado de Woody Allen oriental (alguns também o associam a Eric Rohmer, duas alusões maravilhosas), ele segue com um maestro que, com as mesmas notas, testa e apresenta milhares de combinações possíveis, afagando os ouvidos com sons maravilhosos. A trajetória de um homem deslocado na Seul contemporânea, revelada em uma estrutura narrativa epistolar, é uma síntese do homem moderno. Foram precisos apenas 60 e poucos minutos para a construção do enredo cativante e seus desdobramentos em ordem cronológica aleatória, resultado do embaralhamento das cartas que explicavam seus passos.

INÉDITOS

LONGAS


48. Love (Gaspar Noé, 2015) -> 5.0
49. Anomalisa (Charlie Kaufman, 2015) -> 9.0
50. Tragam-me a cabeça de Alfredo Garcia (Sam Peckimpah, 1974) -> 6.0
51. Guerra mundial Z (Marc Forster, 2013) -> 6.5
52. Moscou contra 007 (Terrence Young, 1963) -> 7.0
53. Tristana, uma paixão mórbida (Luis Buñuel, 1970) -> 7.5
54. Terra de sonhos (Jim Sheridan, 2002) -> 8.0



55. Céu e inferno (Akira Kurosawa, 1963) -> 7.5
56. O que eu mais desejo (Hirokazu Koreeda, 2011) -> 8.5
57. Winchester '73 (Anthony Mann, 1950) -> 7.5
58. O regresso (Alejandro González-Iñarritú, 2015) -> 8.0
59. O exército do extermínio (George A. Romero, 1973) ->7.0
60. Montanha da liberdade (Hong Sang-soo, 2014) -> 8.0
61. Os noivos (Ermanno Olmi, 1963) -> 8.0
62. Macbeth: ambição e guerra (Justin Kurtzel, 2015) -> 6.0



63. As corças (Claude Chabrol, 1968) -> 8.0
64. Professora sem classe (Jake Kasdan, 2011) -> 5.0
65. O encontro (Oren Moverman, 2014) -> 4.0
66. Um dia no campo (Jean Renoir, 1936) -> 7.5
67. Reflexões de um liquidificador (André Klotzel, 2010) -> 8.0
68. Interior. Leather bar (James Franco, 2013) -> 2.0
69. Cada um vive como quer (Bob Rafelson, 1970) -> 7.0
70. Como sobreviver a um ataque zumbi (Christopher Landon, 2015) -> 7.5
71. Um rei em Nova York (Charles Chaplin, 1957) -> 8.0



72. Os aventureiros do bairro proibido (John Carpenter, 1986) -> 7.0
73. Deadpool (Tim Miller, 2015) -> 7.5
74. À beira do abismo (Howard Hawks, 1946) -> 7.0
75. Sonho (Kim Ki-Duk, 2008) -> 4.0
76. O quarto de Jack (Lenny Abrahamson, 2015) -> 8.0
77. Zoolander (Ben Stiller, 2001) -> 5.0
78. Maus hábitos (Pedro Almodóvar, 1983) -> 6.0


79. Ligações perigosas (Stephen Frears, 1988) -> 7.5
80. Creed - Nascido para lutar (Ryan Coogler, 2015) -> 8.0
81. Elegia da luta (Seijun Suzuki, 1966) -> 7.0
82. Vidas amargas (Elia Kazan, 1955) -> 8.0

CURTAS

Thelastnote.com (Leo Falcão, 2004) -> 6.0
Dossiê Rê Bordosa (Cesar Cabral, 2008) -> 0.0

REVISTOS


Os excêntricos Tenenbaums (Wes Anderson, 2001) -> 10.0
Os sonhadores (Bernardo Bertolucci, 2003) -> 10.0
Cidade dos sonhos (David Lynch, 2001) -> 10.0
Depois de horas (Martin Scorsese, 1985) -> 9.0

MELHOR FILME: Anomalisa
PIOR FILME: Interior. Leather Bar
MELHOR DIRETOR: Hong Sang-soo, por Montanha da liberdade
MELHOR ATRIZ: Brie Larson, por O quarto de Jack
MELHOR ATOR: Leonardo DiCaprio, por O regresso
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Marion Cotillard, porMacbeth: ambição e guerra
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Sylvester Stallone, por Creed - Nascido para lutar
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Charlie Kaufman, por Anomalisa
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Alejandro González-Iñárritu e Mark L. Smith, por O regresso
MELHOR FOTOGRAFIA: Emmanuel Lubezki, por O regresso
MELHOR TRILHA SONORA: Montanha da liberdade
MELHOR CENA: O pedido no trem em O que eu mais desejo
MELHOR FINAL: Anomalisa

Nenhum comentário:

Postar um comentário