Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de abril de 2015

13 anos de cinefilia em 13 listas

Como escolher apenas um tema para assinalar a passagem de mais um ano de cinefilia? No início deste ano, comecei a pensar em um tema que pudesse reunir 13 filmes e, assim, declarar mais uma vez meu amor ao Cinema, a exemplo do que comecei a fazer ano passado. Diante da indecisão, nada melhor que escolher não apenas um, mas treze temas que se transformaram em treze listas de treze itens. Supersticiosos de plantão devem ir ao delírio com tantas repetições do número, dispostas em alguns subtemas.

Ao longo desses 13 anos, já foram mais de 2100 filmes vistos, uma marca até pequena se comparada à de outros entusiastas da Sétima Arte, inclusive de amigos meus que se descobriram cinéfilos anos depois de mim. Seja como for, a qualidade ainda pesa mais do que a quantidade, embora eu acredite que só se descobre o que é de qualidade através da quantidade. Seja como for, chegar a somente 13 eleitos na maioria das listas foi uma tarefa hercúlea, e injustiças fatalmente terão sido cometidas. 

A título de explicação, o critério que me levou a selecionar os diretores das primeiras listas foi a extensão das suas filmografias. Admiro e acompanho vários cineastas, mas muitos deles ainda dirigiram apenas meia dúzia de filmes, o que inviabilizaria uma lista só deles. Além do mais, tenho certeza de que escolhi  a fina flor da direção, e caberia até umas menções honrosas, que ficam para uma outra oportunidade. O Cinema asiático entrou por estar me entusiasmando cada vez mais, enquanto as comédias são uma seleção do que realmente me fez rir, algo difícil para o meu senso de humor obtuso. No que se refere à lista de música, lembrei não apenas de títulos do gênero musical, mas também de tramas que abordam o universo de cantores ou compositores. O Oscar não ficou de fora, merecendo duas listas que abarcam as categorias principais, com suas vitórias mais justas e injustas, sempre considerando quem estava oficialmente no páreo em cada ano. 

Os filmes superestimados que aparecem na décima lista são pequenas ou grandes decepções com que deparei nesses anos de estrada, e que podem ser revisitados um dia para que essa sensação se confirme ou se anule. No campo das atuações e das cenas, estão as maiores dificuldades da seleção, já que as opções disponíveis eram as mais vastas. Certamente, são as listas com as quais estou menos satisfeito e que poderia mudar todos os dias. Por fim, a relação de cartazes alternativos é uma forma de apontar o quanto fãs podem ser muito mais talentosos e inventivos que os estúdios ao resumir um filme em imagens. Uma última observação: não está nada em ordem de preferência! Feitos os esclarecimentos, eis as listas!

1. INGMAR BERGMAN

1. Persona   


2. Cenas de um casamento  
3. Morangos silvestres  
4. O sétimo selo
5. A hora do lobo    
6. A paixão de Anna (foto)
7. Gritos e sussurros
8. A fonte da donzela
9. Saraband
10. Juventude
11. Através de um espelho
12. Face a face
13. Noites de circo


2. ALFRED HITCHCOCK

1. Janela indiscreta     


2. Um corpo que cai
3. Frenesi
4. Rebecca - A mulher inesquecível
5. Interlúdio (foto)
6. A sombra de uma dúvida
7. Pacto sinistro
8. Intriga internacional
9. A dama oculta
10. Disque M para matar
11. Psicose
12. Os pássaros
13. Festim diabólico


3. WOODY ALLEN

1. Vicky Cristina Barcelona  


2. Noivo neurótico, noiva nervosa
3. Manhattan
4. A rosa púrpura do Cairo
5. Tiros na Broadway
6. Ponto final
7. Meia-noite em Paris
8. O sonho de Cassandra (foto)
9. Neblina e sombras
10. Maridos e esposas
11. Crimes e pecados
12. O escorpião de jade
13. Dirigindo no escuro


4. ERIC ROHMER

1. O raio verde    
2. Minha noite com ela
3. Pauline na praia
4. Conto de verão (foto)
5. Conto de inverno
6. O joelho de Claire
7. A mulher do aviador
8. Conto de outono
9. Noites de lua cheia
10. Um casamento perfeito
11. A colecionadora
12. O amigo da minha amiga
13. Conto da primavera


5. CINEMA ASIÁTICO

1. Amor à flor da pele  
2. O hospedeiro
3. O buraco
4. Desejo e perigo
5. Dersu Uzala
6. Contos da lua vaga
7. O túmulo dos vagalumes
8. Old boy
9. Memórias de um assassino
10. A fortaleza escondida
11. Eternamente sua
12. Only yesterday (foto)
13. O serviço de entregas da Kiki


6. COMÉDIAS

1. Os excêntricos Tenenbaums  
2. Ariel
3. Cine Holliúdy
4. Trem mistério
5. O balconista (foto)
6. Ata-me!
7. Um misterioso assassinato em Manhattan
8. O homem que não estava lá
9. Um peixe chamado Wanda
10. Trovão tropical
11. Pequena Miss Sunshine
12. Luzes da cidade
13. Quanto mais quente melhor


7. MÚSICA

1. Apenas uma vez   
2. Inside Llewyn Davis
3. Amores parisienses
4. Os guarda-chuvas do amor
5. Não estou lá
6. Whiplash - Em busca da perfeição
7. Quase famosos
8. Mesmo se nada der certo
9. Jovens, loucos e rebeldes
10. As canções
11. Exílios (foto)
12. Aquele querido mês de agosto
13. Duas garotas românticas


8. VITÓRIAS MAIS MERECIDAS DO OSCAR
(considerando os candidatos que foram indicados)

1. Melhor filme para Se meu apartamento falasse  
2. Melhor filme estrangeiro para Através de um espelho
3. Melhor filme estrangeiro para 8 1/2
4. Melhor atriz para Elizabeth Taylor, por Quem tem medo de Virginia Woolf?
5. Melhor diretor para Miloš Forman, por Amadeus
6. Melhor atriz coadjuvante para Tatum O'Neal, por Lua de papel
7. Melhor fotografia para Gritos e sussurros
8. Melhor ator para Jack Nicholson, por Um estranho no ninho
9. Melhor direção para Woody Allen, por Noivo neurótico, noiva nervosa
10. Melhores efeitos visuais para Star wars episódio V - O Império contra-ataca
11. Melhor roteiro original para Pulp fiction (foto)
12. Melhor atriz coadjuvante para Dianne Wiest, por Tiros na Broadway
13. Melhor atriz para Marion Cotillard, por Piaf - Um hino ao amor


9. VITÓRIAS MAIS INJUSTAS DO OSCAR
(considerando os candidatos que foram indicados)

1. Melhor filme para Amor, sublime amor  
2. Melhor diretor para George Roy Hill, por Golpe de mestre
3. Melhor atriz para Jane Fonda, por Amargo regresso
4. Melhor roteiro original para Fargo
5. Melhor atriz para Helen Hunt, por Melhor é impossível
6. Melhor filme para Shakespeare apaixonado
7. Melhor ator para Roberto Benigni, por A vida é bela
8. Melhor diretor para Sam Mendes, por Beleza americana (foto)
9. Melhor filme para Uma mente brilhante
10. Melhor roteiro adaptado para Sideways - Entre umas e outras
11. Melhor filme para Crash - No limite
12. Melhor filme para O discurso do rei
13. Melhor atriz para Jennifer Lawrence, por O lado bom da vida


10. FILMES SUPERESTIMADOS
(pelo público e/ou pela crítica)

1. Os sete samurais  
2. Donnie Darko
3. O rei de Nova York (foto)
4. Beleza americana
5. Jules e Jim - Uma mulher para dois
6. Blade runner - O caçador de androides
7. Meu ódio será sua herança
8. O bandido da luz vermelha
9. O doce amanhã
10. Último tango em Paris
11. Frances Ha
12. O labirinto do fauno
13. A marca da maldade


11. ATUAÇÕES

1. Liv Ullmann em Persona, Cenas de um casamento e Face a face (foto)
2. Joaquin Phoenix em Amantes, O mestre e Ela
3. Juliette Binoche em Cópia fiel
4. Meryl Streep em Adaptação
5. Ellen Burstyn em Réquiem para um sonho 
6. Dustin Hoffman em Rain man
7. Robert DeNiro em Taxi driver
8. Malcom McDoweel em Laranja mecânica
9. Bette Davis em A malvada
10. Julianne Moore em Ensaio sobre a cegueira
11. Dianne Wiest em Tiros na Broadway
12. Charles Chaplin em Luzes da ribalta
13. Ingrid Bergman em Sonata de outono

12. CENAS

1. O telefonema do maníaco por filmes em Pânico  
2. O plano de abertura de O mestre
3. Jesse e Celine discutindo nas ruínas gregas em Antes da meia-noite
4. A "ópera da criação do mundo" em A árvore da vida (foto)
5. A intersecção temporal no baile em De volta para o futuro 2
6. O surgimento de Darth Vader em Star wars episódio III - A vingança dos Sith
7. Daniele observando Vanina na boate em A primeira noite de tranquilidade
8. Sugar Kane entoando uma canção triste ao piano em Quanto mais quente melhor
9. A troca (?) de papéis entre James e a dona da galeria de arte em Cópia fiel
10. O assassinato fora de quadro em O sonho de Cassandra
11. O final de O túmulo dos vagalumes
12. Olive consolando Dwayne com um abraço em Pequena Miss Sunshine
13. O toque da sanfona em Holy motors

13. CARTAZES ALTERNATIVOS


1. Metrópolis


2. Até o fim


3. Meia-noite em Paris


4. Os excêntricos Tenenbaums
5. O verão da minha vida 


6. Gravidade 


7. Amnésia

8. A vida secreta de Walter Mitty


9. Drive

10. Um corpo que cai


11. Melancolia


12. Antes da meia-noite


13. Cisne negro


quarta-feira, 1 de abril de 2015

BALANÇO MENSAL - MARÇO

Nem parece que março teve apenas 31 dias. O mês demorou tanto a passar que a sensação foi de que vivemos uns 90 dias nele. Ao longo desse tempo, foram 33 filmes diante dos meus olhos, todos devidamente reunidos em mais um balanço mensal. Como sempre gosto de enfatizar diretores, alguns nomes talentosos compareceram em março com novos exemplares dignos de elogios. Eles (ainda) não figuram entre meus queridinhos, mas foram responsáveis por filmar grandes enredos protagonizados por gente talentosa. Estou falando de Joel Schummacher, que abriu o mês com uma nostálgica fantasia juvenil com pitadas de terror, Tim Burton velho de guerra em mais uma parceria com Johnny Depp em uma folhetinesca trama de vampiros, Isao Takahata no que, até o momento, é sua obra derradeira, George Lucas no início da década de 70 antes de partir para viagens intergalácticas e Barry Levinson trazendo Dustin Hoffman em um dos seus mais belos papéis. 

E ainda teve espaço para meu primeiro Jacques Tati, que chegou conquistando o primeiro lugar do pódio, tecnicamente empatado com Takahata, que só não abocanhou a posição por ter falado só um pouco menos ao coração. Vamos de uma vez por todas aos filmes desse março cinéfilo"!

PÓDIO

MEDALHA DE OURO


Meu tio (Jaques Tati, 1958)

Uma crítica esperta ao abuso da tecnologia e à vida tresloucada em meio a vários eletrodomésticos, o filme mais famoso de Tati abre com adoráveis cãezinhos à procura de algum alimento. Daí em diante, sua câmera flagra a relação de discreta ternura entre o tio do título (vivido pelo próprio Tati) e o sobrinho de uns 10 anos de idade. De tão próximos, eles causam um misto de ciúme e preocupação no genitor do garoto, que teme ver o filho sem ambição alguma devido à convivência com um homem desapegado do pragmatismo materialista. Tati investe também no visual exótico, apontando para uma série de traquitanas com que gente rica tenta impressionar os amigos e posar de bem-sucedido para a roda de amigos que frequenta sua casa. O que pode ser tão ou mais inútil quanto uma campainha que aciona um chafariz cujo jato de água sai da boca de um peixe metálico? Na conjunção do visual com o sentimental, Meu tio faz por merecer a honraria maior do balanço do mês que passou.

MEDALHA DE PRATA 

Memórias de um assassino (Joon Bong-Hoo, 2003)


Mais um mês em que um filme sobre os meandros da lei ganha um espaço especial por aqui. O inventivo Bong-Hoo rasgou a cartilha do cinema policial para entregar uma coletânea de achados imperdíveis que revela os buracos da justiça pelos quais vazam verdades inconvenientes. Concentrando seu fio narrativo na busca de dois investigadores pela identidade de um assassino, o realizador não abre mão do humor negro, que surge das situações mais inesperadas, provando que inserir um tom jocoso onde só deveria (?) haver seriedade pode ser uma eficiente quebra de paradigmas. Na verdade, é uma pratica recorrente sua, que se revelaria quase ausente em sua primeira experiência hollywoodiana e aqui ainda se mostra com eficiência. O desenvolvimento em que ele aposta reduz praticamente a zero as chances de um financiamento em solo estadunidense. No máximo, tentariam inventar uma refilmagem, mas até aqui esse filmaço tem descansado em paz e segue convidando cinéfilos atentos a subversões da arte, bem como a reflexões sobre a lei e o que se faz dela. 

MEDALHA DE BRONZE

Trovão tropical (Ben Stiller, 2008)


Tom Cruise careca, barrigudo, com óculos de aros grossos e fazendo uma dancinha muito da estranha? Até hoje, só é possível encontrar todos esses elementos juntos em Trovão tropical. Mas o quarto dos cinco filmes de Stiller na direção conta com muito mais para fazer valer um terceiro lugar no pódio de março. Mirando (inclusive literalmente) no humor politicamente incorretíssimo, o roteiro escrito a seis mãos (Stiller, Justin Theroux e um tal de Ethan Coen) tira sarro da indústria cinematográfica com a propriedade de quem a visualiza e vivencia por dentro. Dos lábios de Kirk Lazarus (Robert Downey Jr.) ecoam frases emblemáticas sobre esse universo que, entre outras coisas, parece feito de fórmulas: "Sean Peen não levou o Oscar porque seu personagem em Uma lição de amor era somente um idiota, não tinha habilidades como Dustin Hoffman em Rain man ou Tom Hanks em Forrest Gump - O contador de histórias". E Lazarus diz tudo isso do alto de uma caracterização inacreditável: com a pele enegrecida por um procedimento artificial e os cabelos encrespados para dar vida a um soldado em pleno confronto com a população vietnamita. Precisa mais?

INÉDITOS

LONGAS:

1. Os garotos perdidos (Joel Schummacher, 1987) -> 8.0
2. Pânico 4 (Wes Craven, 2011) -> 8.5
3. A teoria de tudo (James Marsh, 2014) -> 7.0
4. Rocky, um lutador (Jon G. Avildsen, 1976) -> 7.0
5. Sombras da noite (Tim Burton, 2012) -> 7.0
6. Livrai-nos do mal (Scott Derrickson, 2014) -> 6.0
7. Turistas (Ben Wheatley, 2012) -> 4.0
8. O conto da princesa Kaguya (Isao Takahata, 2013) -> 9.0


9. Os estagiários (Shawn Levy, 2013) -> 5.0
10. A outra face (John Woo, 1997) -> 8.0
11. Busca implacável (Pierre Morel, 2008) -> 7.0
12. Conduzindo Miss Daisy (Bruce Beresford, 1989) -> 8.0
13. Anjos da lei (Phil Lord e Christopher Miller, 2012) -> 6.5
14. Selma - Uma luta pela igualdade (Ava DuVernay, 2014) -> 8.0
15. Loucuras de verão (George Lucas, 1973) -> 7.5
16. Rain man (Barry Levinson, 1988) -> 8.0
17. As maravilhas (Alice Rohrwacher, 2014) -> 7.0


18. Rio, eu te amo (vários, 2014) -> 0.0
19. Um santo vizinho (Theodore Melfi, 2014) -> 7.0
20. Trovão tropical (Ben Stiller, 2008) -> 8.0
21. Memórias de um assassino (Joon Bong-Hoo, 2003) -> 8.5
22. A gangue (Miroslav Slaboshpitsky, 2014) -> 8.0
23. Meu tio (Jacques Tati, 1958) -> 9.0
24. Um ato de coragem (Nick Cassavetes, 2002) -> 8.0
25. Curvas da vida (Robert Lorenz, 2012) -> 6.0


26. Bad Johnson (Huck Botko, 2014) -> 5.0
27. Frenesi (Alfred Hitchcock, 1972) -> 8.0
28. A entrega (Michael R. Roskam, 2014) -> 7.5
29. Hoje eu quero voltar sozinho (Daniel Ribeiro, 2014) -> 7.0
30. Anjo embriagado (Akira Kurosawa, 1948) -> 8.0
31. Nós somos as melhores! (Lukas Moodysson, 2013) -> 7.0

CURTA:

A nova missão de Dug (Ronaldo Del Carmen, 2009) -> 8.0

REVISTOS:

Femme fatale (Brian De Palma, 2002) -> 8.5
Melinda e Melinda (Woody Allen, 2004) -> 8.0

MELHOR FILME: Meu tio
PIOR FILME: Rio, eu te amo
MELHOR DIRETOR: Jacques Tati, por Meu tio
MELHOR ATRIZ: Jessica Tandy, por Conduzindo Miss Daisy
MELHOR ATOR: Song Kang-ho, por Memórias de um assassino
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Dianne Wiest, por Os garotos perdidos
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Robert Downey Jr., por Trovão tropical
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Jacques Lagrange, Jacques Tati e Jean L'Hôte, por Meu tio
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Alfred Uhry, por Conduzindo Miss Daisy
MELHOR FOTOGRAFIA:  Kim Hyung-ku, por Memórias de um assassino
MELHOR TRILHA SONORA: Selma - Uma luta pela igualdade
MELHOR CENA: O nascimento de Kaguya em O conto da princesa Kaguya
MELHOR FINAL: Memórias de um assassino