Pesquisar este blog

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

BALANÇO MENSAL - OUTUBRO

Com alguns dias de atraso, mas comparecendo: assim tem sido o balanço mensal. Em um mês que se iniciou junto com os trabalhos do Festival do Rio, muitos títulos surgiram, fazendo de outubro o mês mais profícuo de lançamentos, ao menos no que se refere à quantidade, já que as notas 10 continuam rarefeitas...

É uma pena que a programação do Festival desse ano não tenha estado das mais empolgantes, e meu tempo escasso não me permitiu assistir a muita coisa, mas o que vi está relacionado aqui (são basicamente quase todos os títulos entre os 20 primeiros da lista). Por sua vez, o pódio ficou uma graça, reunindo três países, continentes e diretores com propostas bem diversificadas. Falando nos realizadores, outubro foi tempo de reencontrar gente boa como Peter Bogdanovitch, Robert Zemeckis, Philippe Garrel, Rob ReinerLeos Carax e Sam Raimi. Vamos ao balanço?

PÓDIO

MEDALHA DE OURO

A pequena morte (Josh Lawson, 2011)


Distante milhas e milhas das terras brasileiras, o cinema australiano se aproxima de nós nesta comédia dramática sobre maneiras nada ortodoxas de se encarar o sexo. Preferências secretas à parte, o diretor, roteirista e ator Josh Lawson concatena suas ideias sob a forma de histórias paralelas de casais em que um deles conserva algum tipo de tara com relação ao outro, e a dificuldade em assumi-la é geradora de situações ora hilárias, ora angustiantes. Vez por outra, essas histórias se cruzam, e quando isso acontece é com uma organicidade exemplar. Mas o ponto alto da narrativa está perto de seu final (não é, necessariamente um spoiler): uma cena envolvendo um serviço de ligações para surdos-mudos via Skype em que a atendente precisa fazer uma chamada para uma mulher do telessexo, mediando sua conversa com a de um rapaz a fim de dar vazão à sua libido. A sequência dura uns 10 ou 12 minutos e pode figurar tranquilamente entre as mais criativas e antológicas já vistas no universo ficcional.

MEDALHA DE PRATA

Como você sabe tudo (Hong Sang-soo, 2009)


Se Sang-soo fosse um alfaiate, saberia perfeitamente onde fazer os cortes e acabamentos, onde encaixar ilhoses, botões e quaisquer outros acessórios. Cineasta que é, tem domínio invejável da técnica e da linguagem da arte cuja bandeira arvora, porém sem jamais se converter em um realizador sem alma - deixemos essa potencial antonomásia para outros do ramo. Assim, o que ele realiza em Como você sabe tudo é um mais do mesmo envolvente, em que a metalinguagem é suporte de uma pá de questionamentos e denuncia bem cedo a toada irônica impressa à narrativa, cravada até no título. E tome planos de ângulos matematicamente pensados (será que Wes Anderson já viu algum filme dele?) que enquadram as angústias de um cineasta convidado para integrar o júri de uma mostra de Cinema em uma pequena cidade. O que realmente sabemos? É provável que a lista que responde a essa pergunta caiba nos dedos de uma única mão.

MEDALHA DE BRONZE

Boi neon (Gabriel Mascaro, 2015)


Antes de tudo, o cinema praticado por Mascaro é o da experiência sensorial. A impressão que se tem ao se ver um filme seu é a de que se trata de uma construção tátil, uma visita rente à epiderme de seus personagens. Confesso que meu contato prévio com o diretor, ocorrido em Ventos de agosto (idem, 2014) não foi dos mais felizes, entretanto aqui a situação se modificou. Dialogando com suas raízes pernambucanas e, por conseguinte, nordestinas, ele entrega o protagonismo ao mato-grossense Juliano Cazarré, que encarna Iremar, cuja vida é uma cisão entre dois ofícios dos mais díspares possíveis: a preparação de bois para rodeios em que eles devem cair, e o cultivo do sonho de ser estilista, o qual ele realiza em parte vestindo mulheres do seu convívio, como Galega (Maeve Jinkings, em quem vale a pena ficar de olho pelo grande talento). A paleta fotográfica, por vezes, traz um agreste de cores fosforescentes e flagra o que há de humano naquela paisagem de aparência tão arredia.

LONGAS

INÉDITOS

1. O virgem de 40 anos (Judd Appatow, 2005) -> 7.5
2. A pequena morte (Josh Lawson, 2011) -> 8.5
3. Um amor a cada esquina (Peter Bogdanovitch, 2015) -> 8.5
4. In natura (Ole Giæver e Marte Vold, 2015) -> 6.0
5. Beira-mar (Filipe Matzembacher e Márcio Reolon, 2015) -> 6.5
6. Boi neon (Gabriel Mascaro, 2015) -> 8.0
7. Aviãozinho de papel (Robert Connolly, 2014) -> 6.5


8. O desejo de Jack (Anne de Clercq, 2015) -> 5.0
9. 11 minutos (Jerzy Skolimowski, 2015) -> 8.0
10. Tudo vai ficar bem (Wim Wenders, 2015) -> 6.5
11. O incêndio (Juan Schnitman, 2015) -> 7.5
12. The lobster (Yorgos Lanthimos, 2015) -> 6.5
13. A travessia (Robert Zemeckis, 2015) -> 8.0
14. Perdido em Marte (Ridley Scott) -> 7.5
15. À sombra de uma mulher (Philippe Garrel, 2015) -> 8.0


16. A colina escarlate (Guillermo del Toro, 2015) -> 4.0
17. Mia madre (Nanni Moretti, 2015) -> 5.0
18. Sem pudor (Filip Marczewski, 2012) -> 2.0
19. Cores do destino (Shane Carruth, 2013) -> 5.0
20. Quem vai ficar com Mary? (Bobby e Peter Farrelly, 1998) -> 8.0
21. Eu, você e a garota que vai morrer (Alfonso Gomez-Rejon, 2015) -> 7.5
22. Gente grande (Dennis Dugan, 2010) -> 5.0
23. Porco rosso - O último herói romântico (Hayao Miyazaki, 1992) -> 7.0
24. O primeiro amor (Rob Reiner, 2010) -> 8.5


25. Rock of ages: o filme (Adam Shankman, 2012) -> 5.5
26. Jeff e as armações do destino (Jay e Mark Duplass, 2011) -> 8.0
27. Um plano simples (Sam Raimi, 1998) -> 8.0
28. Como você sabe tudo (Hong Sang-soo, 2009) -> 8.0
29. Viajar é preciso (David Wain, 2012) -> 5.5
30. Bata antes de entrar (Eli Roth, 2015) -> 4.0
31. Minhas adoráveis ex-namoradas (Mark Waters, 2009) -> 4.0
32. Pacto de sangue (Billy Wilder, 1944) -> 8.0


33. Bem-vindo ao Sul (Luca Miniero, 2010) -> 7.0
34. Os amantes da ponte Neuf (Leos Carax, 1991) -> 8.0
35. Nói, o albino (Dagur Kári, 2003) -> 7.0
36. Hacker (Michael Mann, 2015) -> 8.0
37. Viver e morrer em Los Angeles (William Friedkin, 1985) -> 8.0
38. Na companhia de homens (Neil LaBute, 1997) -> 4.0
39. Tudo em família (Thomas Bezucha, 2005) -> 5.0
40. Anatomia do medo (Akira Kurosawa, 1958) -> 8.0

REVISTOS

Contra a parede (Fatih Akin, 2004) -> 8.0
Amor à flor da pele (Wong Kar-wai, 2000) -> 10.0
A criança (Jean-Pierre e Luc Dardenne, 2005) -> 9.0
Star wars episódio IV - Uma nova esperança (George Lucas, 1977) -> 8.5
Star wars episódio V - O Império contra-ataca (Irvin Kershner, 1980) -> 9.0

CURTAS

Outubro acabou (Miguel Seabra Lopes e Karen Akerman, 2015) -> 0.0
Blinky TM (Ruairi Robinson, 2011) -> 7.0
Aquarela (André Koogan Breitman, 2003) -> 8.0

MELHOR FILME: A pequena morte
PIOR FILME: Sem pudor
MELHOR DIRETOR: Hong Sang-soo, por Como você sabe tudo
MELHOR ATRIZ: Juliette Binoche, por Os amantes da ponte Neuf
MELHOR ATOR: Juliano Cazarré, por Boi neon
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Maeve Jinkings, por Boi neon
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Billy Bob Thornton, por Um plano simples
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Josh Lawson, por A pequena morte
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: A travessia
MELHOR FOTOGRAFIA: Boi neon
MELHOR TRILHA SONORA: Perdido em Marte
MELHOR CENA: O telefonema mediado para o telessexo em A pequena morte
MELHOR FINAL: Viver e morrer em Los Angeles 

Nenhum comentário:

Postar um comentário